Papa Francisco recebe Celso Amorim para falar de Lula

Publicado por 3 de agosto de 2018 às 10:18

Em maio, durante uma missa na Casa Santa Marta, o papa Francisco dedicou a sua homilia ao tema “unidade”, com reflexões nitidamente endereçadas ao Brasil. Após falar sobre as perseguições sofridas pelo apóstolo Paulo, observou que muitas vezes “criam-se condições obscuras” para condenar uma pessoa.

O método utilizado contra Jesus, Paulo, Estevão e outros mártires, emenda, é usado ainda hoje. Como exemplo, o papa fez alusão às mentiras que precedem as rupturas democráticas. “A mídia começa a falar mal das pessoas, dos dirigentes, e com a calúnia e a difamação essas pessoas ficam manchadas… Depois (a justiça) as condena e, no final, se faz um golpe de Estado”.

papa carta .png

Agora, ao receber em sua residência oficial Celso Amorim, ex-chanceler de Lula e ex-ministro da Defesa de Dilma Rousseff, o pontífice repetiu trechos do discurso, exatamente no momento em que se inteirava sobre a situação do ex-presidente, preso desde 7 de abril.

“O papa nos ouviu com grande interesse e preocupação. Demonstrou estar bem informado do que ocorre no Brasil e fez menções muito elogiosas a Dilma Rousseff, por ele definida como honesta”, relata Amorim.

O diplomata relatou com exclusividade à CartaCapital como se deu o encontro, ocorrido na manhã da quinta-feira 2, por iniciativa de Carlos Ominami, senador e ex-ministro da Economia do Chile – o mesmo que convenceu a ex-presidente chilena Michelle Bachelet a defender a candidatura de Lula e exigir respeito às urnas.

Após conversar com Amorim, o parlamentar acionou o amigo argentino Alberto Fernández, chefe de gabinete dos governos de Néstor e Cristina Kirchner, que se encarregou de solicitar uma audiência com Francisco. “Fernández tem excelentes relações com o papa, que nos respondeu em menos de 12 horas. É curioso, porque Francisco já receberia, no dia seguinte ao nosso encontro, um grupo de brasileiros, entre eles a mãe da vereadora Marielle Franco (assassinada no Rio de Janeiro). Optou por falar conosco antes, por entender a dimensão política do que está acontecendo com o ex-presidente Lula e com o Brasil”, conta.

Durante a reunião de uma hora em uma sala austera e simples, o pontífice mais ouviu do que falou. Idealizador do Comitê Internacional de Solidariedade a Lula e Defesa da Democracia, Amorim explicou como se dá a “perseguição judicial” contra o ex-presidente, enquanto os colegas argentino e chileno acrescentavam que o método tem sido usado com regularidade para desestabilizar governos populares da América Latina e manchar a reputação de lideranças da esquerda.

Apesar da gravidade da situação, o encontro também teve momentos de descontração. Amorim presenteou Francisco com um de seus livros sobre política externa, e fez questão de ler uma curiosa nota escrita há 13 anos. “Sempre fui acusado de ser excessivamente simpático com os argentinos, a ponto de a revista Veja dizer que só faltava eu dizer que Maradona é melhor do que Pelé. Achava importante incentivar a autoestima dos nossos vizinhos, mas essa passagem em particular dizia que isso talvez só ocorresse quando tivéssemos um papa argentino. Imagina a coincidência. Disse isso em 2005”, conta, aos risos.

Ao término da conversa, Francisco enviou uma saudação a Lula, manuscrita nas primeiras páginas de A verdade vencerá, livro-entrevista do ex-presidente, recém-traduzido para o italiano. ”É uma mensagem espiritual, uma bênção, não tem conteúdo político. Quero entregar ao presidente Lula o mais rápido possível”.

Na avaliação do ex-chanceler, o encontro com o papa é mais um indicativo de que, aos poucos, a comunidade internacional se dá conta de que o Brasil sofreu um golpe de Estado e o processo contra Lula visa unicamente excluí-lo das eleições. “Francisco não precisava nos receber. Ao fazê-lo, poderia ficar calado o tempo todo. Em vez disso, fez questão de dizer que acompanhava o caso com bastante interesse e preocupação”, afirma Amorim.

E cita ainda a iniciativa de um grupo de 29 congressistas americanos, entre eles o senador Bernie Sanders, pré-candidato à presidência dos EUA em 2016, que enviou ao governo brasileiro uma carta na qual denuncia a prisão política de Lula, com base em “acusações não comprovadas” em um julgamento “altamente questionável”.

Não é a primeira vez que Francisco demonstra interesse de acompanhar a situação de Lula. Em junho, o advogado argentino Juan Gabrois, que atuou como consultor do Pontifício Conselho “Justiça e Paz” e atualmente coordena o encontro mundial dos movimentos sociais em diálogo com o papa, tentou visitar o ex-presidente. Pretendia levar um terço abençoado pelo papa, mas acabou barrado na porta na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba. “Estamos de frente a um claro caso de perseguição política”, afirmou na ocasião, inconformado com o veto.

À época, agências de checagem, como “Lupa” e “Aos Fatos”, apressaram-se a classificar a notícia veiculada em numerosos sites como falsa, com base em uma nota do Vatican News, mantido pela Santa Sé, a desmentir a informação de que o rosário fora realmente enviado pelo papa. Pouco depois, o próprio Vatican News retratou-se.

Segundo o texto corrigido, Gabrois foi impedido de ver Lula, “a quem queria levar um terço abençoado pelo Papa, as palavras do Santo Padre e as suas reflexões com os movimentos sociais e discutir assuntos espirituais com o ex-chefe de Estado”.

Fonte:

Tags:  
Link de Acesso a Matería
Papa Francisco recebe Celso Amorim para falar de Lula – O Itaqui Notícias Papa Francisco recebe Celso Amorim para falar de Lula | O Itaqui Notícias