Com 4,3% de aprovação, Temer diz que foi melhor que seus antecessores

Publicado por 16 de maio de 2018 às 10:17

“O Brasil e os brasileiros têm escolha fundamental a fazer neste ano; continuar no caminho certo, com resultados reais, ou buscar alternativas que podem gerar insegurança”, afirma o ilegítimo em artigo publicado na terça-feira (15). Ele diz que conseguiu recuperar a economia do país, aumentar o PIB, aprovar reformas e trocar “as pedaladas” por “responsabilidade fiscal”.

Temer abre o seu artigo falando da Petrobras, que durante o ano de 2016 já era o principal alvo das investigações da Lava Jato, levando a um quadro de desmonte da indústria de petróleo e gás, com fechamento de empresas. Temer utiliza aquela situação fática para dizer que ele valorizou a empresa, que na época valia R$ 67 bilhões e que agora voltou ao posto de empresa mais valiosa do Brasil.

Temer ainda afirma que em dois anos recuperou “o Banco do Brasil, os Correios, a Caixa Econômica Federal”. O que o governo tem feito é a chamada reestruturação, que está levando as instituições ao sucateamento, com demissões de centenas de trabalhadores e o corte de investimentos.

Somente no Banco do Brasil, a “restruturação” nas agências bancárias de todo país pretende cortar 1.200 cargos de caixa do Banco do Brasil. Além disso, o Banco do Brasil e a Caixa, que são as maiores instituições bancárias do país em oferta de crédito imobiliário, estão mudando seu campo de atuação, reduzindo este tipo de operação.

No caso do BNDES, sob a gestão Temer reduziu-se de R$ 50 para R$ 19 bilhões as linhas voltadas para inovação, máquinas e equipamentos, bens de capital, exportação pré-embarque e projetos transformadores. O banco é uma das instituições mais importantes no aquecimento da economia e instrumento de financiamento da indústria.

“Os resultados são incontestáveis em todas as áreas: a menor inflação da história do Plano Real, as menores taxas de juros de nossa história, os dois maiores superávits comerciais, duas safras agrícolas recordes, o maior número de títulos de propriedade (mais de 200 mil), agrária ou urbana, já distribuídos”, escreve Temer.

Mas segundo especialistas, as baixas taxas inflacionárias estão longe de representar sucesso da política econômica de Temer. De acordo com boletim de conjuntura do Dieese “não há nenhum indicador econômico que aponte para algo positivo”.

Segundo o boletim, a taxa de inflação inferior à meta estipulada pelo governo é consequência direta de uma das mais drásticas depressões da história do país, que fez com que o PIB acumulasse uma queda de quase 7% entre 2015 e 2016. O “crescimento” alardeado por Temer é na verdade a estagnação da economia, já que o índice foi de apenas 1% em 2017, e a perspectiva é de que a economia continue estagnada este ano.

Além disso, apesar da taxa de juros Selic ter caído, a taxa de juros real (acima da inflação) ainda é muito alta, sem contar a taxas de juros para crédito de pessoa física oferecidas pelos bancos que continua na lua, elevando os lucros recordes dos bancos.

O “crescimento da economia” dito por Temer não vem acompanhado de geração de emprego. Atualmente, o Brasil tem 13,7 milhões de desempregados, 10,8 milhões de trabalhadores sem carteira assinada e outros 23,1 milhões que trabalham por conta própria e dependem do aquecimento da economia para sobreviver.

A responsabilidade fiscal de Temer não encontro justificativa diante do aumento da dívida pública, que pulou de 39% do PIB em 2016 para 52%. A dita “responsabilidade” é na verdade o corte dos investimentos públicos com a imposição da Emenda 95, do Teto dos Gastos, que congelou os investimentos com saúde, educação, benefícios previdenciários e investimentos públicos.

Segundo o presidente, a gestão também foi responsável por superar “todos os governos anteriores” ao criar a maior quantidade de unidades de conservação por km² e também a “maior reserva marinha do mundo”.

Piada pronta

O convite da cerimônia comemorativa organizada pelo Planalto tinha como slogan “O Brasil voltou, 20 anos em 2”. A frase, plagiada do programa de governo de Juscelino Kubitschek (50 anos em 5), se transformou em piada por conta da interpretação ambígua da frase que, diante dos número do governo e da rejeição popular, o efeito é negativo. Resultado, o governo foi obrigado a desistir e utilizar outro nome para a comemoração: “Maio/2016 – Maio/2018: O Brasil Voltou”.

“Sobre como transformar uma mentira em uma verdade retirando uma vírgula”, comentou a pré-candidata do PCdoB, Manuela D´Ávila, em sua página nas redes sociais.

“Brasil voltou para aonde? E rápido assim? Slogan de um governo senil”, postou no Twitter o jornalista e escritor Marcelo Rubens Paiva.

“Se tirar a vírgula o slogan fica perfeito. Temer é o timoneiro do maior retrocesso já visto neste país”, enfatizou o senador Lindbergh Farias (PT-RJ).

“Num tempo em que a pontuação é ignorada nas redes sociais, um gênio fez o seguinte slogan para o governo Temer: “O Brasil voltou, 20 anos em 2″. Se tirar a vírgula, a piada tá pronta”, escreveu o jornalista Kennedy Alencar.

 

Do Portal Vermelho

Fonte:

Tags:  
Link de Acesso a Matería
Com 4,3% de aprovação, Temer diz que foi melhor que seus antecessores – O Itaqui Notícias Com 4,3% de aprovação, Temer diz que foi melhor que seus antecessores | O Itaqui Notícias
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x