Convocado para a seleção, Fred mira saída do Shakhtar para time maior da Europa

Publicado por 21 de maio de 2018 às 10:01

As estantes na sala do apartamento de Fred estão repletas de peças de Lego, um de seus passatempos prediletos. Há também um cavaquinho e um pandeiro estampado com um verso de Cartola — “a sorrir eu pretendo levar a vida” — que o jogador leva como mantra. À primeira vista, se vê pouco de futebol, exceto por uma foto ao lado do meia Dentinho, na comemoração de um título pelo Shakhtar Donetsk, e uma miniatura da Copa do Mundo, presente do amigo Junior Morais, atacante do rival Dínamo de Kiev.

A impressão se desfaz assim que Fred se senta para conversar e sintoniza a TV no maior canal esportivo da Ucrânia, que transmitia a reprise do jogo que rebaixou o Chornomorets de Odessa para a segunda divisão: 1 a 0 para o Olimpik. “O time que venceu é lá de Donetsk, observa. Zapeando, encontra um repeteco mais interessante: Marselha x Salzburg, semifinal da Liga Europa.

A segunda suspensão por doping, que lhe roubou o primeiro semestre do ano passado, poderia ter tirado o tesão de Fred pelo futebol. Afinal, ele já havia cumprido seis meses de gancho no início de 2016 após um exame detectar a presença do diurético hidroclorotiazida, que ele sempre alegou ser fruto de uma refeição contaminada. A Agência Mundial Antidoping (Wada) recorreu à Corte Arbitral do Esporte (CAS), exigindo uma pena maior, e conseguiu tirar Fred de ação pouco após seu retorno aos gramados. O peruano Paolo Guerrero, alvo de um caso semelhante, chamou sua própria situação de “vergonhosa injustiça”. Para Fred, o castigo serviu de faísca: tão logo voltou, mostrou-se peça fundamental em um Shakhtar que venceu Napoli, Roma e Manchester City.

O sorriso largo parece importado do Rio, onde Fred morou por alguns meses em sua primeira suspensão, em 2016, quando ainda nutria esperanças de disputar os Jogos Olímpicos. Já a origem mineira, em Belo Horizonte, se manifesta tanto no estilo caseiro quanto na serenidade para comer pelas beiradas, sem alarde, quando se trata da própria carreira. Fred evita remoer os detalhes do passado. Perguntado se a palavra “injustiça” se aplica a seu caso, mostra que só quer olhar para um futuro que para ele, dez anos mais novo que Guerrero, ficou ainda mais promissor depois de ver seu nome na lista de Tite para a Rússia.

— Acho um pouco (injustiça). Mas essa questão do doping involuntário é muito complexa, é difícil discutir — pondera Fred. — Foi muito ruim, porque a coisa que mais gosto de fazer é jogar futebol. Por outro lado, amadureci muito. Se não fosse por isso, talvez pudesse já ter dado um salto maior na carreira… Mas agora tenho uma Copa para jogar. Creio que tudo está ocorrendo no tempo certo.

 

Extra

Fonte:

Tags:  
Link de Acesso a Matería
Convocado para a seleção, Fred mira saída do Shakhtar para time maior da Europa – O Itaqui Notícias Convocado para a seleção, Fred mira saída do Shakhtar para time maior da Europa | O Itaqui Notícias